Leadership Workshops

 “Quando se encontra o sentido, a forma aparece!” 

Victor Frank



O papel dos líderes evoluiu e tornou-se mais exigente, fruto da globalização e consequente mudança de referenciais. A crise económica internacional e a incerteza daí decorrente, volatilizou muitos dos “adquiridos”, gerando ondas de choque transversais com impacto na vida das Organizações. 

O racional da teoria dos estilos de liderança tornou-se limitativo para enquadrar os novos desafios surgidos neste contexto, cada vez menos previsível e, portanto, apelativo de mais sensibilidade perceptiva e resiliência por parte dos líderes, na gestão do dia-a-dia e construção de visão para os próximos tempos.

Vivemos tempos de poucas certezas e muitas possibilidades, de novas sínteses e variantes. Nesse sentido, qualquer redução do exercício da liderança a um estilo, padrão ou traços (de personalidade), seria inconsequente e incompatível com a flexibilidade adaptativa requerida pela época. 

Na Dave Morgan, acreditamos que a liderança é uma macrocompetência aprendida, passível de ser trabalhada e desenvolvida, que reflecte a totalidade do indivíduo no modo como se percebe a si próprio e, consequentemente, interage com o meio físico e social. 

Não acreditamos em “estilos de liderança” mas em pessoas que exprimem nos seus comportamentos de liderança, a visão, missão, crenças e valores que reservam para si e para os outros no mundo. Líderes conectados consigo próprios e com o meio envolvente, terão uma consciência mais precisa dos seus recursos disponíveis e melhor clareza e eficácia nas decisões de liderança a tomar.

Quanto melhor a conexão mente-corpo do líder e maior a consciência dos recursos pessoais disponíveis, mais consistente e eficaz será o seu desempenho.

Cunhámos o conceito de Liderança Integracional ® e, em torno dele, desenvolvemos workshops com forte vertente experiencial com os seguintes objectivos:

  • Assimilar o modelo da liderança integracional e a sua aplicabilidade nas várias dimensões da liderança organizacional.
  • Aprofundar nos participantes, a percepção de si próprios, dos seus recursos e idiossincrasias.
  • Treinar a expressão da liderança inside out (o self como modelo).
  • Aprender a fluir na incerteza, liderando com sentido de compromisso e prazer.